11 de mar de 2008

911

Bom, a Inglaterra tem um telefone, Não é o 911. embora esse numero americano seja o primeiro que vem a sua cabeça aconteça o que acontecer. Hoje li no jornal motivos pelos quais as pessoas ligam para esse numero. Só situações de emergência, por exemplo:

1. esta no supermercado sem troco em moeda para comprar uma coca.
2. preocupada porque o namorado deixou o hamster da namorada na chuva
3. desesperado porque a sogra veio passar 10 dias de visita e já está no décimo-oitavo
4. e por ai vai.

Tem a questão da Espanha e da imigração acontecendo ai no Brasil. Certo? Certíssimo. É impressionante o preconceito com imigrantes aqui, e no aeroporto isso é gritante. O Inglês não demonstra, mas fica explícito no comentário de canto de boca, no olhar de cima para baixo, no DARLING.

Aqui passa um seriado sobre aeroporto, no Heatrow para ser mais honesto. Os ingleses são burros, só falam inglês, e ficam putos de trabalhar num aeroporto de 62 mil pessoas transitando por dia no qual a maioria não fala inglês (incluindo a grande maioria da união europeia, para aqueles que pensaram logo que imigrante vem de outro continente....)

No programa você ve certinho os métodos preconceituosos, burros e burocráticos pelos quais as pessoas que trabalham no aeroporto atendem ou não a uma demanda, barram ou não uma pessoa, conseguem um lugar no voo ou não. E não tem lei... a lei de segurança nacional está nos aeroportos e QUALQUER manifestação de conflito é uma questão de segurança. Não prenderam um grupo "terrorista" que pretendia derrubar dez aviões fazendo composto químico com flash de camera? To falando, é neurose.

Toda a neurose dos anos 70, 80 com The Cure, Sex Pistols, Queen e muito mais não passou. Pelo contrário, nós a assistimos e a ouvimos de fora como se fosse um povo rebelde... nada, a docilidade é o sarcasmo daqui. Se no Brasil o carioca é mau educado de prima, aqui ele nunca é. Má educação a Rainha não permite... mas a Rainha é a Rainha.

Não precisa ir longe não. Nós temos os "nordestinos", eles tem os "republicanos", aqueles que são contra o "unitarismo" de ter uma rainha e um parlamento. Os escoceses, os galeses, os irlandeses, os irlandeses do norte... isso sem falar nos imigrantes que moram aqui a gerações.

Olha, o terrorismo está dentro deles. Não tem a ver com bombas, ou medo de violência. Tem a ver com medo do diferente. E diferente, tal como era antigamente, se vê na cara, na pele, na genética... Como disse um barrado na imigração espanhola, aquilo ali era um navio negreiro: uma sala de negros, e 3 brancos, com ara de pobre.

Eu gosto daqui, o sol é lindo, mas sinceramente, eu sinto falta da ordem brasileira.

fabro

Um comentário:

Ju disse...

ao ler seu post lembrei da Rainha de Copas da Alice (uma crítica a cultura inglesa vitoriana, aliás!).
"cortem-lhe à cabeça!"
beijos brasileiros, Fabro!
saudades.